Apaixonado pelo Belo, chileno viaja 6 mil quilômetros para ver duelo contra o Atlético-MG

Foto: Lupicinio Farias

Na Paraíba, em virtude de uma cultura midiática histórica, é comum que muitos amantes do futebol torçam para dois times: o da cidade e algum do eixo Rio-São Paulo. No entanto, na contramão dessa realidade, o sentimento de resistência e de amor apenas pelos clubes paraibanos também não é de hoje. Incomum mesmo é brotar no coração de pessoas de outros estados a paixão por alguma equipe paraibana. Imagina num coração que não “fala” português? É o caso de Antônio Soto, de 29 anos. O primeiro chileno torcedor do Botafogo da Paraíba. E que veio esta semana para João Pessoa, especialmente para assistir o duelo entre Belo e Atlético-MG, pela Copa do Brasil, nesta quarta-feira (21), no Almeidão.

Antônio é médico, mora e é natural de Concepción, uma das cidades mais populosas do Chile. Em 2013, veio para a capital paraibana fazer um intercâmbio de um mês na área de Medicina. Se hospedou na casa de Lupicinio Farias Torres, professor aposentado da Universidade Federal da Paraíba, e seu filho Daniel Pontes, naquele momento também estudante de Medicina. Lupicínio, torcedor do Campinense. Daniel, torcedor do Botafogo-PB.

A potencial influência dos amigos na decisão de qual time o chileno iria adotar no estado estava equilibrada. Mas naquele 2013, em meados de novembro, o determinante mesmo foi o templo do futebol: o estádio. O Botafogo-PB já havia subido de divisão àquela altura, após ótima campanha que fazia na Série D do Campeonato Brasileiro. Mas a primeira experiência de Antônio no Almeidão foi logo na final do torneio, um momento histórico para o clube pessoense. E, aí, não teve jeito. As arquibancadas tomadas por botafoguenses em busca de um troféu encantaram o chileno.

– Eu gosto muito de futebol, sou apaixonado. Então quando estava aqui, eu queria ver um jogo. Fui na final do Campeonato Brasileiro e aí fiquei encantado. Tinha muita gente no estádio. Eu fiquei impressionado. Porque era muita gente para um time de quarta divisão. Eu me apaixonei ali pelo Botafogo-PB. Tenho uma camisa e acompanho a equipe – explicou o médico chileno, que chegou do Chile nesta segunda-feira (19).

Apesar do sentimento pelo Belo, naturalmente, Antônio tem um primeiro e eterno amor. Trata-se da Universidad do Chile, uma das equipes mais tradicionais e populares da terra de Pablo Neruda.

Depois do intercâmbio, o laço sentimental com as duas casas que o acolheram em João Pessoa permaneceu, apesar da distância de mais ou menos 6 mil quilômetros entre Concepción e a capital paraibana.

Durante esta semana, o compromisso da saudade será com os amigos Lupcínio e Daniel, família que dividiu sua residência com o chileno. Nesta quarta-feira à noite, no entanto, outro endereço. Será a hora de Antônio visitar sua segunda casa na Paraíba, onde vai encontrar irmãos de coração que ele nem conhece, mas que reconhece, quando começa a chegar próximo ao Almeidão.

– Eu aproveitei que ia ter um jogo importante e decidi vir a João Pessoa passar uma semana, ao lado da minha noiva. Com isso, vejo meus amigos e também volto a ver o Belo no estádio. Eu acho que o Belo vai ganhar – arriscou o primeiro botafoguense chileno.

Equipe @Vozdatorcida com Amauri Aquino/Correio da Paraíba