Diá fala que “o cargo a disposição está a disposição” no Campinense

Foto: Divulgação/ Campinense Clube

A novela da permanência ou não de Francisco Diá teve mais um capítulo na derrota do Campinense para o Jacuipense, pela segunda rodada do Grupo A7 da Série D do Brasileiro.

Depois do time jogar mal, o treinador foi bastante vaiado pela torcida, com direito a coro de “burro”, vindo dos torcedores que estavam na arquibancada do Amigão, que parecem não ter mais paciência com relação a situação do treinador que foi bicampeão estadual no clube em 2015 e 2016.

Depois do fim do jogo, em entrevista coletiva, Diá foi questionado mais uma vez sobre sua permanência na Raposa. Visivelmente incomodado e abatido, o comandante rubro-negro deixou seu futuro nas mãos da diretoria.

– O cargo está a disposição como sempre esteve em todos os clubes onde passei.  Nós conversamos durante a semana e tinha ficado acertado que eu ficaria até o jogo do Náutico (o segundo da pré-Copa do Nordeste). Mas se a diretoria e a torcida acharem que estou atrapalhando, eu saio – afirmou.

No início da semana, o futuro presidente do clube, Erivaldo Ferreira, havia anunciado que tinha chegado a um acordo com Diá para que ele continuasse até o fim da Série D, fato que nunca foi confirmado pelo treinador.

Salários atrasados

Fato levantado pelo lateral direito Gustavo na saída do primeiro tempo do jogo contra o Jacuipense, o atraso de salários segue assombrando o ambiente rubro-negro.

Com um mês e meio a pagar, já que o elenco recebeu 50% dos vencimentos de março, e o mês de abril venceu na última semana, segundo Francisco Diá, a diretoria prometeu regularizar a situação até a próxima quinta-feira (16), após o jogo contra o Náutico, pela pré-Copa do Nordeste.

Ainda na coletiva, o treinador disse que é difícil que o time vá buscar reforços para a Série D, já que passa por dificuldades financeiras e os melhores jogadores já encontram-se empregados.

Equipe @Vozdatorcida