Clayton se diz próximo de conseguir atuar 90 minutos pelo Botafogo-PB

Foto: Reprodução/ TV Belo

O meia Clayton, principal reforço do Botafogo-PB para a temporada, foi titular pela primeira vez desde seu retorno na última segunda-feira (05), quando o time ficou no 0 a 0 contra o Confiança no Almeidão, no jogo que decretou a eliminação antecipada do Belo na Copa do Nordeste.

Ainda longe de sua forma física ideal, o camisa 7 admitiu que precisa melhorar, mas que ele apenas não pode resolver os problemas da equipe, na qual confia que irá evoluir para a sequência da temporada, na qual ainda sequer venceu.

– Sou um cara que não tem muita paciência, quero estar jogando 100% logo, mas futebol é coletivo, não é de um dia para o outro que a gente adquire a forma física que a gente quer. É ter um pouco de paciência, é questão do grupo, chegou muita gente nova, então a gente tem que se unir, se fechar, os resultados vão vir. A torcida pode ficar tranquila que vontade não vai faltar nunca, e no estadual e Série C virão coisas boas pela frente – afirmou.

Além do meio-campista no time principal, outra novidade no time botafoguense esteve no banco de reservas. Apresentado dois dias antes do jogo, o treinador Gerson Gusmão é velho conhecido de Clayton, desde o Novo Hamburgo-RS, quando o então auxiliar o promoveu para a equipe profissional gaúcha.

– O Gerson conheço desde meus 16 anos, foi ele que me subiu para o profissional. Quando fiquei sabendo que eles iriam vir para cá, passei para os jogadores que eles iriam gostar muito. É um trabalho muito bom, nos deixa a vontade dentro de campo, e tem tudo para ser um sucesso aqui no Botafogo-PB – avaliou.

Ainda buscando o ritmo de jogo ideal, Clayton está confiante de que poderá atuar os 90 minutos em breve, talvez já contra o Santa Cruz, que passou das 16h para as 18h15 do próximo sábado (10), com a justificativa que as equipes, ambas lanternas de seus grupos, não tem mais ambições no torneio.

– Conversei depois do jogo, falei até que estaria pior, que ia sentir mais o jogo, estava um jogo muito corrido, o Confiança é um time de muita qualidade. Acredito que aguento sim, os 90 contra o Santa Cruz, depende do jogo, de como vai ser, mas acredito que consigo sim – disse.

Acontece que, até em sua primeira passagem, em 2019, o jogador frequentemente era substituído no segundo tempo dos jogos devido a uma lesão crônica na sola do pé, o que aumentava seu desgaste físico nas partidas.

Equipe @Vozdatorcida