Com apenas uma virada no ano, Botafogo-PB se complica com gols sofridos cedo

Foto: Paulo Cavalcanti/ Botafogo-PB

Mais uma vez o Botafogo-PB entrou em campo pela Série C e pela segunda vez saiu atrás no marcador, e terminou com um empate, na noite da segunda-feira (13), no estádio Almeidão. Dessa vez o adversário foi o Santa Cruz e, o empate por 1 a 1 foi o terceiro em três jogos para a equipe na competição. 

Se na Copa do Nordeste o time tem conquistado vitórias e está na final contra o Fortaleza, na Série C do Campeonato Brasileiro a vida tem sido mais complicada. Após empatar, fora de casa, com o Sampaio Corrêa-MA com dois jogadores a mais por mais da metade da partida, o Belo também não conquistou a viradadessa vez em casa, contra o lanterna do Grupo A.  

Assim como em São Luís, o Belo tomou um gol cedo, em desatenção da defesa, e não conseguiu virar o placar. Na segunda-feira, a dupla de zaga bateu cabeça e Lula acabou cometendo pênalti em Pipico, que cobrou e fez.

Um dos protagonistas do lance, o zagueiro Donato comentou sobre os erros e a dificuldade em tomar gols no início.  

 Martelamos, mas acabamos tomando um gol muito cedo, conseguimos empatar mas, infelizmente, mais uma vez, não conseguimos virar. Temos que parar de tomar gols bobos, parar de sair atrás, porque acredito que quando sairmos na frente, vamos conseguir segurar o placar e sair com a vitória – lamentou.  

Sair atrás tem sido frequente para a equipe na temporada. Das 8 partidas no ano em que sofreu o primeiro gol, os comandados de Evaristo Piza só conseguiram reverter a situação uma única vez, contra o Nacional, pela ida da semifinal do Paraibano, na cidade de Patos.

Naquela noite, a equipe sertaneja teve um jogador expulso aos 20 do primeiro tempo, quando vencia o duelo. Desses 8 jogos, em 5 ocasiões o adversário abriu o marcador ainda no primeiro tempo, e em mais duas antes dos 60 minutos. Por outro lado, o Belo nunca sofreu uma virada desde a chegada do paulista à Maravilha do Contorno. 

Normalmente as equipes que têm enfrentado o Botafogo-PB até agora adotam uma postura conservadora, principalmente nos confrontos em João Pessoa. As palavras do meia-atacante Clayton sobre essa característica dos adversários ao enfrenta-los, como os vacilos na defesa e as decisões recentes, dão uma ideia do que tem contribuído para esse cenário. 

– É difícil a sequência de jogos decisivos. Contra o Náutico foi um jogo onde choveu, o campo pesado, foi desgastante não só fisicamente, mas psicologicamente também. Hoje (segunda-feira, 13), outro jogo difícil, o Santa Cruz mais uma vez veio atrás. Conversamos que todo time vai vim atrás, vai ser difícil entrar, mas não podemos ter desatenção e tomar gol bobo. É trabalhar agora que temos que conquistar pontos fora de casa – analisou.

Mas nem sempre o problema passa exclusivamente pelos erros defensivos. A dificuldade em marcar gols também contribuem para os números. Contra o Sampaio, por exemplo, foram mais de 45 minutos com dois jogadores a mais, e mesmo assim a vantagem numérica não se converteu em bola no fundo das redes. 

Autor gol de empate contra a Cobra Coral, em sua primeira partida como titular, o centroavante Felipe Alves lamentou as oportunidades desperdiçadas após a igualdade. 

– Eu acho que a equipe está de parabéns porque, com todo respeito ao Santa Cruz, massacramos eles, mas a bola passou na frente e não conseguimos colocar pra dentro. Agora é trabalhar durante a semana para consertamos isso para buscarmos a vitória, em Natal, contra o ABC – concluiu.  

Equipe @Vozdatorcida