Ex-diretor da entidade, Eduardo Araújo será candidato à presidência da FPF

Foto: Divulgação

A novela que tem como assunto principal os bastidores da Federação Paraibana de Futebol (FPF) é daquelas que nunca acabam. O novo episódio é o primeiro candidato que se apresenta para corrida eleitoral, visando o pleito programado para este ano. Ex-diretor executivo da entidade, o advogado Eduardo Araújo, revelou que colocará seu nome à disposição dos filiados para uma candidatura a presidente.

Para que o jurista possa se candidatar (assim como qualquer outro nome), o estatuto da Federação coloca que são necessários o apoio de 16 filiados, sendo oito clubes profissionais e oito clubes amadores e/ou ligas.

Com atuação no futebol da Paraíba, após passagens como dirigente por times como Auto Esporte e Internacional-PB, ele foi convidado por Amadeu Rodrigues logo após o Campeonato Paraibano deste ano, na tentativa de iniciar um processo de modernização da FPF. Contudo, pediu demissão do cargo no mesmo dia em que o atual presidente Nosman Barreiro tomou posse no lugar de Amadeu, por força de uma ação judicial.

O nome de Eduardo chegou a ser cogitado para assumir uma vaga na Junta Administrativa que está sendo pleiteada por um grupo formado por 27 clubes, que se reunirá em assembleia nesta segunda-feira (16), às 14h, no Esporte Clube Cabo Branco. A ideia é que este encontro discuta a destituição de Nosman Barreiro do cargo de presidente e ao mesmo tempo, dois nomes sejam escolhidos para assumir os destinos da entidade, tendo como missão convocar as eleições.

– Acredito que a partir do momento que sou candidato a presidente da FPF, não posso assumir qualquer cargo durante a gestão da junta até a realização das eleições, para garantir a lisura e a moralidade, evitando qualquer comentário de utilização da estrutura da Federação para ter êxito. Fiz a mesma recomendação aos meus queridos vices que serão anunciados na próxima semana e todos acataram – disse Eduardo Araújo, em nota divulgada à imprensa.

Equipe @Vozdatorcida com Raniery Soares/Correio da Paraíba