“Não seremos coadjuvantes”, garante presidente do Nacional de Patos

Foto: Arquivo pessoal

Mesmo sem disputar a primeira rodada do Campeonato Paraibano em seu estádio, o presidente do Nacional de Patos, Cleodon Bezerra, defendeu o adiamento da rodada inicial para beneficiar os mandantes.

Acontece que por falta de alguns laudos de segurança, os principais estádios da Paraíba não poderiam ter portões abertos na estreia da competição, que seria no último fim de semana. Caso do Atlético de Cajazeiras, rival do Canário na primeira rodada.

Para garantir a entrada do público, os jogos foram adiados para o meio da semana. Em entrevista cedida ao Voz da Torcida, o mandatário do Naça revelou entender a situação do Atlético, e cobrou atraso do pagamento de programas governamentais, como o Gol de Placa.

– Na realidade, a opinião do Nacional é no sentido de privilegiar os clubes que serão mandantes na primeira rodada. Assim, se não tinha condições de ter jogo com portões abertos, o que nós somos contrários também. Haja vista que nós, os clubes paraibanos, estamos  perdendo muita musculatura financeira, haja vista que a questão do Gol de Placa não foi resolvida ainda, desde o ano passado, e lá no Sertão temos algumas pendências junto aos patrocínios que as prefeituras pagam aos clubes. Ou seja, ano passado nós tivemos déficit de renda para trocar ingressos pelo Gol de Placa e até agora não recebemos. Ou seja, eu entendo a situação do Cajazeiras e dos clubes que serão mandantes na primeira rodada. O Nacional não tem problema com o adiamento, pelo contrário, achamos que tem que jogar com público no estádio, até porque é isso que impulsiona o futebol da Paraíba – disse.

Devido a irregularidades e fraudes na troca de notas fiscais por ingressos, reveladas pelo jornal Folha de São Paulo, ainda no ano passado, o repasse aos clubes está suspenso ao menos até o fim das investigações, que caminham no Ministério Público.

Para que os clubes não deixem de receber recursos públicos, o governo da Paraíba lançou, nos últimos dias, outro programa para substituir o Gol de Placa, que vai prestar ajuda financeira aos clubes que disputarão a primeira divisão do estadual.

Dentro de campo, Cleodon espera ver um Nacional brigando por título. A equipe, entretanto, ainda busca as últimas contratações para fechar o elenco. Isso porque o goleiro Camilo, que seria o titular da posição, se machucou e o atacante Ademir teve seu contrato rescindido. O dirigente ainda aproveitou para cutucar o Botafogo-PB, afirmando que o Canário do Sertão foi prejudicado pela arbitragem nas semifinais do Paraibano de 2019, contra o Belo.

– O Nacional só entra em campo para disputar. O Nacional não entra em campo para ser mero coadjuvante. Então, nós esperamos que esse ano possa se repetir o que aconteceu em 2019, desde que não haja interferência da arbitragem, o que aconteceu contra o Botafogo-PB. Então, dentro de campo nós temos todas as condições de disputar o campeonato e disputar o título sim. Agora, estamos formando o elenco e tivemos uma baixa do goleiro, que infelizmente se contundiu, e estamos buscando um substituto, bem como do Ademir, que foi rescindido o vínculo com ele, e estamos buscando também um substituto para o mesmo. Então estamos no planejamento de uma forma criteriosa, haja vista que não podemos mais errar nesta contratação, mas que possamos também trazer um jogador de qualidade para que possa somar ao nosso elenco que também já tem ótima qualidade – contou.

Sobre a contratação de um novo goleiro, o mandatário revelou já estar negociando com alguns atletas, mas preferiu não indicar nomes.

– Tem (negociações), mas a gente não fala nome antes de fechar com o atleta – concluiu.

Equipe @Vozdatorcida