Oposição do Botafogo-PB denuncia aumento de despesas “injustificável”

Foto: Voz da Torcida

A Frente Belo de Verdade, ligado ao grupo de oposição a atual adminsitração do Botafogo-PB, publicou hoje (15), em suas redes sociais, uma analise da prestação de contas do clube em 2019 e denuncia um aumento inexplicável das despesas, além de um financiamento junto ao INSS.

Encabeçado por Alexandre Cavalcanti, representante nas negociações frustradas com Sérgio Meira, o movimento diz que auditoria externa atestou que, no ano passado, foi registrado saldo positivo nas finanças do clube em todos os meses. Mesmo assim, e com uma receita bruta de R$ 11,7 milhões, foi realizando um parcelamento junto ao INSS de pouco mais de R$ 250 mil.

Esse parcelamento foi realizado via Refis, o Programa de Recuperação Fiscal, uma ferramenta do governo federal para que pessoas físicas e jurídicas renegociem as suas dívidas com os órgãos da União. No caso do Belo, foi solicitada uma renegociação devido as dívidas trabalhistas, mesmo em um ano de recorde de arrecadação.

Outro ponto alvo de denúncia diz respeito a um aumento, aparentemente injustificável, de 69% no total das despesas administrativas em relação à 2018. Os itens referentes a Serviços Pessoa Física, gastos com pessoal em dia de jogos, e Manutenção – Impostos Taxas e Contribuição apresentaram crescimento nos gastos em 64% e 61%, respectivamente.

Por fim, o grupo questiona a não observação de norma estatutária sobre a divulgação dos balanços trimestrais. Com três trimestres já decorridos do ano de 2020, nenhum balanço ainda foi apresentado ao Conselho Deliberativo pela atual gestão.

Em contato da reportagem do Voz da Torcida com o atual presidente Orlando Soares argumentou que o aumento das despesas se dá em função do aumento das receitas, que uma situação levaria a outra. Já sobre o passivo trabalhista, não se manifestou.

As contas do clube foram o principal ponto de impasse entre a oposição e a situação no acordo que Sérgio Meira tentou selar. Contrários a cederem o departamento financeiro, membros da atual direção se opuseram ao acerto e forçaram a renúncia de Meira.

View this post on Instagram

Iniciamos nossa análise do DRE de 2019, ano da maior receita da história do do Botafogo, por uma questão no mínimo estranha (pra não falarmos suspeita). Com uma receita bruta na casa dos R$ 11,7 milhões, a diretoria do Belo realizou o financiamento junto ao INSS de pouco mais de R$ 250 mil. De acordo a auditoria externa feita nas contas, o clube fechou TODOS os meses de 2019 com saldo de caixa positivo. Como um clube com essa capacidade financeira procede com Refis ao INSS por falta de pagamento dos tributos referentes aos seus funcionários? Outro problema detectado em relação aos gastos foram os aumentos de despesas administrativas, com pessoas física e com manutenção em dia de jogos e tributos. Todas acima dos 60%! Aumentos vultuosos que não se amparam na realidade. Em 2019 só jogamos uma partida a mais em casa do que em 2018, não há justificativa pra aumentos tão significativos. Qual a explicação para termos aumentado em pouco mais de R$ 350 mil nossa despesa com pagamento a pessoa física? Pra finalizar, como se não bastasse a DRE com inúmeras ressalvas e valores que causam estranheza, está sendo repetido em 2020 o descumprimento estatutário dos balanços trimestrais. Até agora já se passaram TRÊS trimestres e nenhuma prestação de contas foi apresentada ao Conselho Deliberativo. A gestão do faz de conta é também a gestão da obscuridade. #BelodeVerdade #Belo #BotafogoPB

A post shared by Belo de Verdade (@belo.verdade) on

Equipe @Vozdatorcida