Técnico isenta arbitragem de culpa após derrota do Auto Esporte

O gol marcado por Biro Biro colocaria o Clube do Povo na frente do placar aos 44 da primeira etapa. Porém, a arbitragem errou e não validou o lance

Foto: Jefinho Cariri

A estreia do Auto Esporte no Paraibano de 2018 deixou um sentimento de frustração no grupo e no torcedor automobilista.

A derrota por 2 a 1 para o Treze, que poupou titulares visando a disputa da pré-Copa do Nordeste, poderia ter se transformado em pelo menos um pontinho, caso um gol marcado pelo atacante Biro Biro, que seria seu segundo no jogo, não fosse anulado pela arbitragem.

O lance em questão aconteceu aos 44 minutos do primeiro tempo, em uma jogada pela esquerda, quando um jogador, que estava em posição irregular, não participa da jogada que termina no cruzamento que Biro Biro empurra para as redes.

A irregularidade, que não ocorreu, foi marcada pelo auxiliar Luís Felipe. No primeiro momento, o árbitro Renan Roberto deixou o lance seguir. Porém, após os jogadores do Treze pararem e desistirem do lance, apontando para a sinalização do bandeira, Renan apitou, antes da conclusão do atacante do alvirrubro.

O treinador do Auto Esporte, Severino Maia, evitou criticar a arbitragem, mas lamentou os pontos perdidos por causa do gol mal anulado.

– Os erros nós temos que lamentar, dizer que são humanos. Não podemos crucificar nem condenar ninguém. Foi um erro que infelizmente mudou a história do jogo – disse o treinador automobilista.

Já Biro Biro, autor do tento que não foi validado, não poupou críticas, e ligou diretamente o revés do seu clube à atuação da arbitragem.

– Não acho que foi um placar justo. O bandeira errou em um lance da gente, falou que tinha errado. Em um jogo como, esse ele não pode errar, e quem saiu prejudicado foi a gente – reclamou.

Equipe @Vozdatorcida