Campinense perde para o Paysandu e se afunda cada vez mais na zona de rebaixamento

Foto: Estefinho Francelino

Em noite muito chuvosa e melancólica em Campina Grande, no estádio Almeidão, no sábado (30), o Campinense perdeu mais uma na Série C do Campeonato Brasileiro e se complicou ainda mais na luta contra o rebaixamento, onde não depende mais somente de si. Mesmo jogando melhor a maior parte do confronto, a Raposa foi superada pelo letal Paysandu, que abriu vantagem de dois gols no primeiro tempo com Marlon. Dione descontou de pênalti, mas Marcelinho garantiu a vitória por 3 a 1.

Contando com o retorno de Mango ao meio-campo, o treinador Flávio Araújo manteve o contestado Emerson no ataque e, junto com Willian Anicete, contou com a companhia de Erick Pulga. Já o técnico Márcio Fernandes, do Papão da Curuzu, que não contou com o atacante Robinho, mais uma vez teve seu camisa 10 brilhando e resolvendo a parada.

Desde o apito inicial, o rubro-negro teve postura agressiva e buscou pressionar o adversário. Já aos 8 minutos, Filipe Ramon avançou pela esquerda e chutou de longe, sem marcação, obrigando o goleiro Thiago Coelho a fazer uma boa defesa.

Logo no minuto seguinte, Erick Pulga fez boa jogada, passando pela marcação e cruzando na área. A bola tomou o rumo do gol e passou muito perto do poste esquerdo do time paraense.

Mas quem abriu o placar foi o Paysandu. Aos 13 minutos, o time cobrou lateral na área, a defesa cochilou e Marlon soltou a bomba para estufar as redes de Mauro Iguatu.

Em desvantagem, a Raposa foi para cima e encurralou o adversário mais uma vez, como vinha fazendo no início do jogo. E aos 22 minutos, novamente Filipe Ramon tentou chutar de fora da área e a bola passou com perigo por cima do travessão.

Só que Mauro Iguatu derrubou Marlon na área e cometeu pênalti para a equipe do Papão da Curuzu. Na cobrança, aos 29 minutos, o próprio Marlon deslocou o arqueiro para marcar seu segundo gol na competição, se isolando na artilharia, e aumentando a vantagem no Amigão.

Foto: Estefinho Francelino

Segundo tempo

Após o intervalo, Flávio Araújo sacou os vaiados André Mascena e Emerson para colocar em campo Oliveira e Pedro Chinês, buscando uma reação na partida.

Mas quem teve a grande oportunidade de matar o jogo foi o Paysandu, que aos 24 minutos teve Marlon entrando sozinho frente a frente com o goleiro. Mas o camisa 10 tocou para fora, mandando a bola na rede, mas pelo lado que não valia. Só que o Campinense parecia não ter muitas forças para tentar um respiro, mesmo com mais outras alterações sendo feitas.

Mas ainda tentando reagir, Oliveira tentou passar no meio da marcação, trombou com Serginho e o árbitro marcou pênalti, bem contestável. Dione, que não tinha nada a ver com isso, aos 28 minutos, foi para a bola e cobrou bem, no canto esquerdo do goleiro, que caiu para o outro lado, e recolocou a Raposa na partida.

Só que o balde de água fria veio aos 40 minutos. José Aldo deu passe açucarado para Marcelinho, que saiu cara a cara com Mauro Iguatu e tocou por baixo do goleiro para dar números finais ao jogo.

O Campinense segue com 15 pontos na penúltima posição da tabela, mas ainda com apenas um ponto atrás do primeiro time fora do Z4, o Ferroviário, que ainda joga na rodada. Entretanto, caso o Brasil de Pelotas vença o Floresta, a Raposa pode acabar a semana na lanterna. Por sua vez, o Paysandu chegou aos 30 pontos e segue na segunda colocação. Na próxima rodada o rubro-negro visita o Floresta, no domingo, em confronto direto contra o Z4, enquanto o Papão vai encarar o Altos, em Teresina, no sábado.

Equipe @Vozdatorcida