Namoro entre Evaristo Piza e Botafogo-PB completa um ano

Foto: Paulo Cavalcanti/ Botafogo-PB

Em meio a uma temporada memorável, já tendo conquistado o título do Campeonato Paraibano e o vice-campeonato da Copa do Nordeste, o treinador Evaristo Piza comemora um ano desde que chegou ao Botafogo-PB.

Acumulando boas apresentações no currículo em seu primeiro trabalho fora de São Paulo, estado onde nasceu e desenvolveu seus trabalhos no futebol, Piza chegou ao Belo em um clima de muita desconfiança, aliado a uma responsabilidade enorme, que era a de conquistar o acesso à Série B do Campeonato Brasileiro.

De lá para cá, apenas uma coisa mudou. O torcedor do time da estrela vermelha reconheceu o trabalho desempenhado pelo treinador paulista, que faz uma temporada brilhante no Belo, e agora joga junto com o time pelo mesmo objetivo do ano passado, que á chegar à segunda divisão do futebol nacional. Desejo este, que é um verdadeiro sonho para o treinador de 46 anos.

O clima de desconfiança que tomava conta da Maravilha do Contorno após a demissão de Leston Júnior, que acabara de conquistar o título de bicampeão paraibano, mas não vinha fazendo boas apresentações na Série C e sofria reflexos da bomba estourada dentro do clube pelas investigações da Operação Cartola, aumentou ainda mais quando a diretoria do Belo resolveu apresentar o treinador Evaristo Piza para a sequência da competição nacional. Um nome desconhecido no Nordeste e com pouca expressão nacional, mas que guardava um trabalho vitorioso para a equipe paraibana.

Em entrevista ao jornal Correio da Paraíba, Piza revelou que se preparou para sair de São Paulo e mostrar seu trabalho para o Brasil inteiro. Porém, foi do outro lado do mundo, no ano de 2006, onde tudo começou.

No Japão, o treinador do Belo iniciou seu primeiro trabalho na beira das quatro linhas, mas só em 2010 que comandou uma equipe profissional, dando início a uma carreira promissora.

– Eu esperava essa oportunidade de apresentar meu trabalho fora de São Paulo. Minha carreira começou fora do país, no Japão, entre os anos de 2006 e 2007, e quando retornei ao Brasil, em 2008, comecei meus trabalhos em uma equipe pequena, que era de formação, o Paulínia Futebol Clube, que revelou vários jogadores do futebol brasileiro. Era um clube que priorizava a formação de atletas. Eu tive uma oportunidade na equipe profissional em 2010, onde conquistei meu primeiro acesso, à Série A3 do Campeonato Paulista, e a partir daí, meu trabalho começou a ficar sólido em São Paulo, principalmente no interior, onde consegui um título no Capivariano em 2014, que me levou ao Guarani, onde jogamos a Série C e agora estamos no Botafogo-PB – disse.

Em seu primeiro trabalho fora de São Paulo, Piza disse que já planejava desenvolver uma filosofia que embasasse sua carreira. E foi no Botafogo-PB onde o jovem treinador passou a dar a cara de um clube que, posteriormente, encantaria seus torcedores, tanto pela forma única de jogo, independente de jogar dentro ou fora de casa, como também pela ousadia de optar por jogadores desconhecidos da região, que se destacaram nos gramados paraibanos e nordestinos.

O comandante botafoguense comentou que conseguiu realizar seu desejo, mas lamentou não conseguir o acesso na primeira oportunidade que teve, na fatídica derrota para o Botafogo-SP, com gol sofrido aos 47 minutos do segundo tempo, sacramentada na disputa de pênaltis, que eliminou a equipe paraibana da Série C do ano passado.

– Eu sempre me preparei para isso, para quando eu saísse de São Paulo, conseguir implantar uma filosofia de trabalho, de jogo, e quando cheguei ao Botafogo-PB, eu sabia da grandeza da equipe, da responsabilidade que seria e dos objetivos que o clube tinha na época, que era sair de uma situação desconfortável na tabela e, em seguida buscar a classificação para a segunda fase da competição. Infelizmente não veio o acesso, mas a diretoria acreditou no trabalho e houve a renovação, o que aumentou minha responsabilidade – comentou.

64,5% é o aproveitamento de Evaristo Piza desde que assumiu o comando do Belo.

Rumo à Série B

Passada a agonia da eliminação no ano passado, Evaristo Piza iniciou uma temporada apoteótica no Belo. Iniciando o ano em uma campanha histórica na Copa do Nordeste, chegando à final da competição de forma inédita, conquistando o tricampeonato paraibano e chegando à terceira fase da Copa do Brasil, Piza se diz satisfeito em devolver os objetivos conquistados à diretoria, mas não quer parar por aí, traçando o acesso à Série B como foco principal da equipe na temporada.

– Este ano, já mais adaptado ao clube, conhecendo as características do Botafogo-PB, de seus torcedores, fomos implantando ideias e já conseguimos cumprir os objetivos traçados pela diretoria do clube. E agora, o nosso foco principal é o acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro – disse.

Evaristo comemorou a marca de um ano a frente do Botafogo-PB destacando a dificuldade que os treinadores brasileiros enfrentam quando o assunto é longevidade nas equipes. Porém, Piza afirmou que precisa buscar algo a mais para o complemento da temporada, que no caso, é o acesso para a Série B.

– Fico muito feliz em completar um ano como treinador do Botafogo-PB. Não é fácil para nós treinadores passar um ano à frente de uma equipe, tendo em vista as trocas que ocorrem constantemente em todos os clubes do Brasil, então temos que comemorar, mas, ao mesmo tempo, buscar algo a mais, pois o que faz com que essa minha permanência se estenda, é cada dia trabalhar mais, buscar novos objetivos, ganhar jogos e conseguir o acesso à Série B. Então, é isso que me motiva, o apoio da diretoria, torcedores, de minha família, da comissão técnica e todos os atletas, pois sem isso, não conseguiríamos ficar por tanto tempo no clube – frisou o treinador do Belo.

Equipe @Vozdatorcida com Gabriel Botto/Correio da Paraíba

Voz da Torcida
Sobre Voz da Torcida 3981 Artigos
O Portal Voz da Torcida trabalha com a difusão de informações sobre o futebol paraibano desde 2011. Onde houver uma equipe paraibana de futebol competindo o Voz da Torcida estará fazendo a cobertura jornalística.