Conselho Deliberativo do Botafogo-PB se reúne para apreciar contas de 2019

Foto: Divulgação

No final do dia de hoje, às 19h, o Conselho Deliberativo do Botafogo-PB deve se reunir, de forma remota, para apreciação das contas da diretoria executiva no exercício de 2019 e o andamento da reforma estatutária em um momento de forte disputa política.

A Maravilha do Contorno tem vivido intensos confrontos entre grupos outrora aliados, com troca de acusações públicas ou em grupos fechados de aplicativos de mensagens. E essa reunião de hoje será mais um episódio nessa disputa. Uma cisão que veio a público no dia 6 de abril, durante o programa Microfone Aberto, da Rádio Tabajara.

Por telefone, Sérgio Meira, atual presidente, e Breno Morais, ex-dirigente afastado em decorrência da Operação Cartola, trocaram diversas acusações que ao fim terminou com a indicação de uma disputa nas eleições do clube em outubro.

Em 5 de Junho, Alexandre Almeida, conselheiro e filho de Breno Morais, solicitou ao Conselho Deliberativo (CD) o afastamento de Sérgio Meira da presidência da executiva devido ao não cumprimento da prestação de contas em data estabelecida por legislação. O pedido tinha como base a Lei Federal 9.615/1998, também conhecida como Lei Pelé. Devido a pandemia do novo coronavírus, esse prazo foi estendido pelo Governo Federal e o pedido inferido.

Após a prestação ter sido realiza, Breno tem denunciado um suposto empréstimo bancário realizado pela atual gestão sem a devida explicação. Sérgio explica que o que ocorreu foi um adiantamento realizado para o pagamento da folha, em face de créditos referentes a cotas de competições que ainda estariam por vir.

Ao longo desses imbróglios, surgiu e ganhou cada vez mais força, com manifestações de apoio por parte de Sérgio Meira, o debate por uma reforma que garanta o direito de votar e ser votado aos sócios-torcedores do clube, direito que hoje não é contemplado no estatuto.

Em 29 de abril, o Conselho das Torcidas, formado por representantes de diversos grupos organizados, enviou ofício ao presidente do Conselho Deliberativo, Luciano Wanderley, com a proposta do direito ao voto. O presidente do CD inicialmente propôs a inclusão da solicitação na pauta da reunião desta segunda-feira, mas foi demovido da ideia após conversa com o secretário do conselho, Raimundo Nóbrega.

No entendimento de Raimundo, que se manifesta favorável a mudança, esse é um debate que requer muito cuidado e tempo para ser devidamente discutido, sendo contrário a alteração ainda para as eleições deste ano, como chegou a ser ventilado por Luciano, por uma questão de tempo.

O clube já vem, desde o ano passado, em processo de aperfeiçoamento de diversos dispositivos estatutários para adequação de exigências previstas no Estatuto do Torcedor. Esse processo é, como prevê o estatuto, coordenado por uma comissão de reforma, composta por três conselheiros: Fábio Rangel, Flávio Wanderley e Herbert Levy.

Para que se iniciem as conferências de fato pelo CD sobre o direito ao voto, é necessário um parecer da comissão para que, enfim, seja votado. Contudo, o conselheiro Fábio Rangel, devido a problemas familiares, se afastou desde meados de 2019, sem formalizar um desligamento, dos trabalhos da comissão. E essa situação será tratada na reunião de logo mais, buscando uma definição da sua permanência ou substituição para que o processo prossiga.

Apesar de ser uma ideia defendida por muitos dos que compõem o CD, a mudança tão sonhada e demandada pela torcida necessita do cumprimento desse ritual para se tornar realidade.

Equipe @Vozdatorcida