Paraíba queima largada e deve voltar com futebol no auge da pandemia

Foto: Divulgação/ FPF

O futebol na Paraíba está cada vez mais perto de voltar. Alguns clubes já testaram seus elencos e grupo de funcionários para voltar a treinar hoje, 29 de junho. O próximo jogo do Campeonato Paraibano já está marcado para o dia 18 de julho, entre Botafogo-PB e Campinense. Entretanto, diferentemente das principais ligas europeias, aqui o futebol deve voltar no auge da pandemia no Brasil e no estado.

Para entendermos a gravidade da situação, precisamos comparar os números do Brasil, da Paraíba e de alguns países europeus. Atualmente, o Brasil é o segundo país do mundo com mais infectados e mais óbitos por Covid-19, estando atrás apenas dos Estados Unidos.

Por ter dimensões continentais, não vamos usar o Brasil na comparação, focando no cenário paraibano. Mas, a título de curiosidade, o auge de contágio pela doença no país aconteceu no dia 19 de junho, quando foram registrados 54.771 casos confirmados em 24h. Em 18 de junho, um dia antes, o Flamengo entrou em campo para enfrentar o Bangu, pelo Campeonato Carioca. Ou seja, tivemos um jogo de futebol um dia antes do ápice da pandemia.

Antes de falar sobre a realidade paraibana, vamos entender quando os países europeus decidiram que era a hora certa de voltar com o futebol.

Alemanha

Entre os países analisados aqui, a Alemanha foi, disparada, a que melhor lidou com a pandemia. Com uma população de cerca de 83 milhões de pessoas, os alemães confiaram na ciência e aplicaram um rígido isolamento social logo no começo do surto do novo coronavírus. O resultado foi a menor taxa de mortalidade entre as nações aqui citadas.

Com isso, a chanceler alemã, Angela Merkel, foi a primeira a fazer uma flexibilização na quarentena. Por ter conseguido controlar consideravelmente a pandemia, a Alemanha teve um rápido retorno do futebol. O dia com mais infectados registrados aconteceu em 28 de março, com 6.294 casos confirmados. Os treinamentos reiniciaram onze dias depois, em 6 de abril, quando a nação registrou 3.677 infectados.

Depois de 44 dias tivemos o primeiro jogo, com o clássico Revierderby, entre Borussia Dortmund e Schalke 04, em 16 de maio, quando foram confirmados apenas 620 casos.

Itália

Depois da China, a Itália foi o primeiro epicentro do novo coronavírus no mundo. Os números de mortes diárias eram assustadores e comoviam os brasileiros como em momento algum, muito menos agora, quando bateremos 60 mil óbitos nesta semana, aconteceu no país.

Porém, após várias decisões erradas no começo do surto, o primeiro-ministro Giuseppe Conte voltou atrás e implementou uma rígida quarentena. Com isso, em algumas semanas o número de infectados e mortes começou a cair, chegando a média de apenas 200 casos por dia atualmente. Milão virou epicentro da contaminação do país da Bota após, ainda em fevereiro, decidir por um isolamento frouxo para priorizar a economia. Semanas depois, o prefeito da cidade, Giuseppe Sala, pediu desculpas e admitiu que errou ao não fechar a cidade.

O dia com mais casos confirmados no país foi 21 de março, com 6.557 infectados. Um clube de futebol só voltou a treinar 44 dias depois, em 4 maio, quando a Itália registrou 1.221 casos confirmados. Após 39 dias de treinamento, tivemos o primeiro jogo: 12 de junho aconteceu Juventus x Milan, marcando o retorno do futebol 83 dias depois do pico.

Reino Unido

Atualmente, a curva de novos casos no Reino Unido está diminuindo. Entretanto, no início da pandemia o primeiro-ministro Boris Johnson ignorou os impactos do novo coronavírus e tomou a decisão de aplicar o isolamento vertical, quando apenas as pessoas do grupo de risco entram em quarentena. Como consequência dessa política negacionista, a nação insular é a quinta do mundo com mais infectados (309.360) e a terceira em número total de mortes (43.414) por Covid-19.

Por causa das políticas públicas confusas do governo, o pico britânico demorou a passar. O dia com mais registros de novos casos foi 1 de maio, com 6.201 infectados. Apenas 18 dias depois, times ingleses reiniciaram seus treinos. Nesse dia, em 19 de maio, 2.412 novos casos foram incluídos. Só em 17 de junho, 47 dias após o recorde de casos e 29 dias depois da volta dos treinos, tivemos o primeiro jogo da Premier League.

Paraíba

Enquanto os países europeus citados anteriormente possuem populações com mais de 60 milhões de pessoas, a Paraíba tem um modesto número de cerca de 4 milhões de habitantes. Mesmo assim, nosso estado possui mais que o dobro de casos a cada um milhão de habitantes se comparado com Alemanha, Itália e Reino Unido. Na Paraíba, 10.860 pessoas a cada um milhão foi infectado pelo novo coronavírus.

Na última sexta-feira (26), o estado registrou o seu recorde de novos casos em 24h, com 2.008 infectados. Ou seja, estamos vivenciando o auge da pandemia. No entanto, os treinos do Atlético de Cajazeiras retornaram exatamente no dia do trágico número, em 26 de junho. Já Botafogo-PB, Campinense e Treze estão marcados para voltar as atividades no dia de hoje, três dias depois do recorde negativo.

Traduzindo isso em números, a volta dos treinos na Paraíba é onze vezes mais rápido que o alemão, 44 vezes mais veloz que o italiano e 18 vezes mais ligeira que a britânico.

Mesmo com todo cenário de crise sanitária, o futebol paraibano já tem data para voltar: 18 de julho, com o clássico entre Botafogo-PB e Campinense. Pressupondo que 26 de junho seja o pico da doença, o retorno do Campeonato Paraibano aconteceria apenas 22 dias depois do auge.

Ontem (29), Eduardo Araújo, que era dirigente do São Paulo Crystal, aos 33 anos, aumentou a lista de vítimas do Covid-19 no estado.

Comparativo

Agora, para ilustrar, temos abaixo uma tabela comparando a volta do futebol e o dia de maior registro da doença nos três países analisados e na Paraíba. É importante ressaltar que ainda não sabemos se estamos ou não passando pelo pico aqui no estado mas, para facilitar o entendimento de todos, vamos considerar a data de 26 junho, visto que foi o recorde novos casos.

/

Maior registro da doença Retorno dos treinos Retorno dos jogos

Alemanha

28 de março (6.294 casos) 6 de abril (11 dias após o pico) 16 de maio (44 dias após o pico)

Itália

21 de março (6.557 casos)

4 de maio (44 dias após o pico)

12 de junho (83 dias após o pico)

Reino Unido

1 de maio (6.201 casos)

19 de maio (18 dias após o pico)

17 de junho (47 dias após o pico)

Paraíba 26 de junho (2.008 casos) 26 de junho (0 dias após o pico)

18 de julho (22 dias após o pico)

Além de queimar a largada na volta dos treinos e das partidas, o tempo para preparação física dos jogadores é muito curto, com um intervalo de apenas 19 dias entre o reinicio das atividades no Botafogo-PB e Campinense e com o jogo da sétima rodada. Isso pode ocasionar diversos problemas físicos para os jogadores, que ficaram três meses parados e terão que atuar em alto nível. Além de rápido, o retorno do futebol na Paraíba é irresponsável.

Equipe @Vozdatorcida