Envolvidos na Operação Cartola podem voltar aos clubes e estádios

Foto: Nalva Figueiredo/ Correio da Paraíba

Este meio de semana foi marcado por mais desdobramentos da Operação Cartola, que investigou suposto esquema criminoso de manipulação de resultados no Campeonato Paraibano de 2018.

Após decisão anunciada na terça-feira (10), pela assessoria da 4ª Vara Criminal de João Pessoa, onde tramita o processo, 17 réus que foram acusados de integrar o esquema ficaram sabendo que várias medidas cautelares que ainda perduravam para os mesmos foram derrubadas.

Isso significa que, 14 dos envolvidos agora podem voltar a frequentar, por exemplo, partidas de futebol.

Além da presença liberada nos estádios, os réus também podem voltar a frequentar tribunais desportivos e sedes dos clubes.

O principal argumento da 4ª Vara Criminal é de que, após quase dois anos desse conjunto de cautelares ter sido imposto, o juízo achou por bem relaxar a medida, visto que muitos réus estavam sem conseguir exercer seus trabalhos de forma plena.

Apesar da decisão judicial ter sido adotada para todos os 17 réus do processo, ela acaba não sendo efetiva para três deles, que ainda cumprem medidas cautelares referentes a outro processo, também oriundo da Operação Cartola.

São os casos do ex-vice-presidente de futebol do Botafogo-PB, Breno Morais, o ex-presidente da Comissão Estadual de Arbitragem de Futebol da Paraíba (Ceaf-PB), José Renato, além do ex-árbitro auxiliar Tarcísio José, o Galeguinho. Todos seguem impedidos de frequentar estádios e instituições desportivas.

Esse processo que envolve 17 réus está chegando em sua reta final de tramitação, pelo menos em relação à primeira instância.

Segundo a assessoria da 4ª Vara Criminal de João Pessoa, em breve será marcada a última audiência de instrução, onde serão ouvidos os acusados.

Depois disso, resguardadas as possibilidades de petições e despachos, o juízo vai poder dar a sua decisão sobre o caso.

Equipe @Vozdatorcida