Ministério Público do Trabalho solicita ao Treze documentos sobre tratamento de funcionários com Covid-19

Foto: Divulgação/ Treze

O Treze foi denunciado no Ministério Público do Trabalho pela conduta no tratamento de seus funcionários que estão contaminados pelo novo Coronavírus.

Como informado pelo Voz da Torcida no meio da semana, o relato de alguns jogadores foi de que os 12 que testaram positivo para Covid-19 na semana passada receberam apenas o “kit-Covid”, com uma série de medicamentos sem eficácia contra a doença, e não estariam com mais nenhum outro tipo de acompanhamento médico pessoal ou individual.

Em contato com a reportagem, o Procurador do Trabalho Raulino Maracajá informou que um inquérito foi instaurado e que o clube terá que enviar alguns documentos requeridos pelo MPT.

– Foi recebida a denúncia hoje e, de imediato, instaurei inquérito civil com relação a parte de Covid, solicitando alguns documentos do Treze Futebol Clube, relação de empregados e trabalhadores que positivaram e que foram afastados, estariam positivados no momento e que positivaram durante o período da pandemia, e pedi também planos de contingência do clube contra à transmissibilidade do vírus Covid-19 – afirmou.

Outra situação pela qual o clube irá responder mais uma vez é sobre a questão dos salários atrasados. Em postagem em suas redes sociais, o atacante João Leonardo afirmou que ordenados dos jogadores estão vencidos há cerca de dois meses.

Acontece que o atraso atual acarreta o descumprimento de outra ordem judicial que tem trânsito em julgado, ou seja, não cabe recurso. Por isso, caso confirmado o atraso, a entidade terá que mais uma quantia para arcar com a multa referente a não-execução da decisão judicial anterior, que é proveniente de uma ação de danos morais coletivos, no valor de R$ 160 mil.

– Com relação a atraso do pagamento salário, existe uma Ação Civil Pública que já foi julgada, com trânsito julgado
que, inclusive, foi requerido à época, dando moral coletivo que não foi pago, e estaria, na última atualização, para mais de R$ 160 mil no título judicial por danos morais coletivos. Na sentença foi determinado que haveria uma multa por atraso no pagamento salarial de R$ 100 por dia de atraso e por cada trabalhador. Então, só para fazer uma conta rápida, seria se seriam sessenta dias ou trinta dias de atraso, é trinta vezes R$ 100 e vezes o número trabalhadores que estariam salários atrasados. Esse documento eu mandei encartar num procedimento próprio dessa ação civil pública – explicou.

O presidente Walter Júnior e a assessoria do Treze foram procurados pela reportagem, mas não se pronunciaram até o momento da publicação.

Equipe @Vozdatorcida