Presidente do Sousa critica exigência do governo para repasse de recursos

Foto: Jornal da Paraíba

O presidente do Sousa, Aldeone Abrantes, conversou com a reportagem do Voz da Torcida e garantiu que apesar do ritmo lento de anúncios, as conversas para a montagem do elenco estão avançadas, elogiou o gramado do Marizão e voltou a criticar as exigências do Governo do Estado em relação ao repasse de verbas.

O ano de 2021 será de calendário cheio para o Dinossauro do Sertão em virtude das disputas da Série D no segundo semestre. Apesar disso, o clube anunciou apenas cinco nomes para a temporada, um ritmo bastante diferente em relação aos seus principais rivais na briga pelo título.

Com o inicio da pré-temporada marcado para o dia 15 de fevereiro, até o momento foram anunciados o retorno do goleiro Ricardo, os zagueiros Adriano Seixas e Marcelo, o atacante Lucas Dentinho e o lateral-esquerdo Weslley. No entanto, o mandatário alviverde garante que os acertos estão bastante adiantados e pormenores impedem as suas divulgações.

– Estamos conversando com muitos nomes. Está quase montado, mas não podemos anunciar ninguém porque tem jogador com contrato vigente, tem jogador que não quer que anuncie o nome porque tem dinheiro para receber, um monte de empecilho que não estamos podendo anunciar nenhum atleta – assegurou.

Já em relação as condições do gramado do Marizão, um ponto que ano após ano tem perseguido o clube, a situação está bem mais clara. Recentemente, em suas redes sociais, o dirigente divulgou imagem de um campo de jogo com bastante verde e elogiou o trabalho da administração do estádio.

– O gramado já está pronto para o uso. Nesse ano fecharam cedo e cuidaram cedo também, foi feito um trabalho de recuperação, de adubação, de corte, ninguém pisou ainda, está virgem o gramado. Cuidaram cedo e o gramado está um espetáculo. É uma preocupação a menos, nos incomodava demais, até a Federação, o Otamar Almeida, veio aqui querendo proibir estreia do Sousa aqui por causa do gramado – comemorou.

Foto: Reprodução/Twitter

Sobre os repetitivos impasses com o Ministério Público sobre a liberação dos estádios, Aldeone se mostrou otimista e acha que devido a ausência de público as exigências devem ser amenizadas, e aproveitou a deixa para mais uma vez demonstrar sua insatisfação com as imposições do governo em relação a liberação das verbas do programa Paraíba Esporte Total.

– Eles pedem coisas como esse contrato que o governo está querendo que os clubes assinem, uma confissão de crime, como disse o presidente Alexandre Cavalcanti do Botafogo-PB. Eles colocam uma lei que fica impraticável para os clubes. Você está vendo aí que Perilima e Sport Lagoa Seca não estão envolvidos com o Gol de Placa e não conseguiram receber porque tudo que estão pedindo ali tem um alto grau de exigência – criticou.

Por fim, o mandatário sousense revelou a existência de um acordo entre a Federação e clubes para ajudar financeiramente em relação as taxas para a realização das partidas. Apesar de o regulamento publicado ainda trazer a existência da cobrança para os mandantes dos jogos, existe um acordo informal, assinado em ata, em relação a transmissão do campeonato, que deverá garantir essa isenção.

– Houve um acordo de cavalheiros com essas questões dos borderôs. Por isso que os clubes repassaram os direitos de transmissão para que a Federação negociasse o campeonato com a promessa de que no mínimo limpasse os borderôs dos clubes. Estamos nessa esperança, foi feito o acordo na reunião, deve estar até em ata. É isso que estamos esperando, que a FPF consiga negociar o campeonato com qualquer TV para livrar, pelo menos, o borderô – disse.

Para Aledeone Abrantes, esse acerto, em mais um campeonato onde não poderá contar com a presença de público nas arquibancadas, é fundamental para facilitar a vida financeira das agremiações participantes que já vêm passando apertos até para buscar patrocinadores.

Equipe @Vozdatorcida