Presidentes de Treze e Campinense falam de ajuda financeira da CBF

Foto: Jeffinho Cariri

A pressão dos clubes em busca da ajuda financeira por parte da CBF surtiu efeito. A entidade anunciou o pacote de socorro para os clubes das séries C e D, para os que disputam as Séries A1 e A2 do Brasileiro feminino, como também para as federações estaduais.

Para a quarta divisão o montante será de R$ 120 mil, já para terceira será no valor de R$ 200 mil. Um alívio imprescindível para as equipes como o Campinense e o Treze, respectivamente. Em entrevista ao PB Esportes, os dois presidentes falaram sobre o pacote anunciado.

Para o mandatário alvinegro, Walter Júnior, o dinheiro vem em bom momento, mas espera mais alguma ação por parte da entidade no futuro.

– Eu vejo com bons olhos e tenho certeza que não só o Treze, mas os demais participantes da Série C, em primeiro plano, vão sim agradecer à CBF. Na sequência a gente volta a conversar com a CBF para ver se junto a isso pode vir mais alguma situação para nos ajudar – disse.

Situação de alívio também é sentida nos lados da Bela Vista. O presidente Paulo Gervany falou sobre como a união dos clubes ajudou no sucesso da reivindicação.

–  Nós recebemos com um certo alívio. Houve uma união dos clubes da Série D no sentido de reivindicar à CBF uma ajuda, qualquer ajuda que pudesse momentaneamente desafogar um pouco os clubes. Houve um debate, uma união entre os presidentes dos clubes da Série D, e tivemos êxito neste pleito, que é um pleito legítimo – explicou.

Em relação a situação financeira dos rivais durante a paralisação, a principal preocupação é honrar os pagamentos não só dos atletas, como também dos funcionários das duas equipes. Para o dirigente galista, a preocupação com todos os empregados é de extrema importância.

A toque de caixa, é um prejuízo grande. O Treze tem uma folha para a disputa de Campeonato Paraibano, de significativo valor, não só com atletas, pois temos funcionários, prestadores de serviços e terceirizados. São pessoas demais que dependem do Treze e, quando ocorre uma paralisação como essa, prejudica o andamento, não só do clube, mas também da vida dessas pessoas que dependem do Treze para o seu sustento – lembrou.

Já sobre as expectativas para a possível conclusão do campeonato, os dois dirigentes trabalham com o cenário de conclusão após a paralisação no futebol do país. Walter Júnior ainda informou que esse também é o pensamento da presidente da FPF, Michelle Ramalho.

Isso é uma coisa que não existe na minha cabeça, na cabeça da Federação também não existe, até porque tinham marcado uma reunião antes da suspensão do campeonato, que foi suspenso um dia antes, e ela cancelou a reunião, mas mesmo assim o Treze se fez presente. Eu estive lá em bate papo informal com ela. Não foi uma reunião, estavam outros presidentes, e a cabeça da presidente é de terminar o campeonato – afirmou.

Equipe @Vozdatorcida